Governo publicou medida provisória para tributação no mercado de “bets”; Ministério da Fazenda cuidará da regulamentação
A medida provisória sobre a taxação das apostas on-line, as chamadas “bets”, foi publicada nesta 3ª feira (25.jul.2023). As novas regras definidas pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) avançam na regulamentação do segmento e criam obrigações e punições para as empresas de apostas.
O Ministério da Fazenda ainda deve publicar portarias que regulamentam as novas normas. A principal trata da autorização para as empresas de apostas atuarem no país. O governo espera arrecadar cerca de R$ 2 bilhões em 2024 com as novas regras.
Leia a seguir as principais mudanças:
Só poderão atuar como empresas de apostas esportivas as organizações que tiverem o aval do Ministério da Fazenda.
O Ministério poderá solicitar às organizações informações técnicas, operacionais, econômico-financeiras e contábeis, além de dados, documentos, certificados, certidões e relatórios.
Recusa, omitir, falsificar ou atrasar a entrega das informações, sem justificativa, implicará multa diária de R$ 10.000. O valor poderá aumentar em até 20 vezes. 
Sites e aplicativos de apostas de empresas que não tenham a devida autorização do governo serão bloqueados e excluídos. Para isso, o Ministério da Fazenda enviará uma notificação administrativa para as companhias provedoras de internet e de aplicações.
As empresas serão taxadas em 18% sobre o GGR (Gross Gaming Revenue), que é a receita obtida com os jogos depois dos pagamentos dos apostadores premiados. Os recursos arrecadados serão divididos para diferentes áreas:
Os 3% destinados ao Ministério do Esporte valerão até 24 de julho de 2028. Depois, os recursos deverão ser recolhidos ao Tesouro Nacional para livre uso da União.
Os apostadores premiados serão tributados em 30% referentes ao Imposto de Renda, que só incidirá sobre o dinheiro que exceder o valor da 1ª faixa da tabela do IR –fixado em R$ 2.112 pelo governo no fim de abril.
Os apostadores que não retirarem os prêmios em até 90 dias perderão o direito de recebê-los ou de solicitar reembolsos. O prazo conta da data da 1ª divulgação do resultado do evento objeto da aposta.
Os valores dos prêmios não reclamados serão revertidos para o Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior) até 24 de julho de 2028, considerando o orçamento e a programação financeira do Poder Executivo. Depois dessa data, os recursos serão recolhidos ao Tesouro Nacional e poderão ser livremente utilizados pela União.
A MP também definiu práticas vedadas pelas empresas de apostas e proibições para quem pode apostar. Empresas de apostas não poderão adquirir, licenciar ou financiar a aquisição de direitos de eventos esportivos realizados no país para transmissão ou distribuição de imagens por qualquer meio.
O sócio ou acionista controlador de empresa de apostas não poderá deter participação, direta ou indireta, em clubes de futebol ou em organização esportiva profissional, nem atuar como dirigente de equipe esportiva brasileira.
Quem não pode apostar:
São consideradas infrações:
As multas para quem violar as regras definidas pela MP variam de 0,1% a 20% sobre a arrecadação da empresa, por infração –observado o limite de R$ 2 bilhões. Também poderá ser determinada a suspensão parcial ou total do exercício das atividades da empresa e a cassação da licença de operação.
As casas de apostas também terão compromissos definidos pelo governo, dentre eles:
É proibida a publicidade e propaganda em todo o país de empresas de apostas que não tenham a devida outorga do governo para seu funcionamento.
Se requeridas pelo Ministério da Fazenda, empresas divulgadoras de publicidade ou propaganda deverão excluir divulgações e campanhas irregulares.
O Conar (Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária) “poderá estabelecer restrições e diretrizes adicionais à regulamentação do Ministério da Fazenda e expedir recomendações específicas”.
Ao Ministério da Fazenda caberá a publicação de novas normas que regulamentam a MP, além de ser o órgão responsável por autorizar e fiscalizar a exploração das apostas esportivas. O Ministério também terá o poder de proibir ou limitar a realização de apostas sobre determinados eventos.
Para os próximos anos, com o mercado totalmente regulado e o crescimento do segmento, o governo estima potencial de arrecadação anual de R$ 6 bilhões a R$ 12 bilhões.
Para se tornarem definitivas, as novas regras ainda precisam ser votadas pelo Congresso Nacional em até 120 dias. Além da MP, o Executivo também enviará um projeto de lei ao Congresso para tratar da estrutura e dos processos para fiscalização do mercado de apostas esportivas.
a) Para receber as informações solicitadas, você nos autoriza a usar o seu nome, endereço de e-mail e/ou telefone e assuntos de interesse (a depender da opção assinalada e do interesse indicado). Independentemente da sua escolha, note que o Poder360 poderá lhe contatar para assuntos regulares.
b) Caso não deseje oferecer o seu consentimento para as divulgações do Poder360, é possível seguir sem receber as informações assinaladas acima. Você poderá, a qualquer momento, se descadastrar de nossos contatos ou revogar o consentimento dado abaixo pelos nossos canais de atendimento.
c) O Poder360 garantirá o exercício de quaisquer direitos e prerrogativas de proteção de dados pessoais em conformidade com a Lei 13.709/2018.
Mais informações, leia nossa Política de Privacidade.
O Poder360 enviou um e-mail para você confirmar a inscrição. Clique no link enviado para o seu e-mail para concluir o cadastro.
Não chegou ainda? Dê uma olhada na caixa de spam se a mensagem não tiver aparecido em alguns minutos.

source